Artigo

O quiuí e o Banco Central

Paulo Delgado
é copresidente do Conselho de Economia, Sociologia e Política da FecomercioSP
O
Paulo Delgado
é copresidente do Conselho de Economia, Sociologia e Política da FecomercioSP

O quiuí, uma fruta originária da China, ganhou o mundo graças à Nova Zelândia. A outra coisa que se espalhou pelo mundo a partir da Nova Zelândia foi o regime de metas de inflação. Em 1989, o país oceânico introduziu uma política monetária que formalizava uma meta a ser mantida com independência pelo banco central. Nos anos seguintes, uma convergência normativa levou o mesmo regime a ser aplicado por cada vez mais países, a começar por Reino Unido, Suécia, Espanha e Canadá, até chegar à situação em que dois terços dos bancos centrais do mundo tinham adotado metas de inflação.

Muitas das decisões políticas têm as características dos quiuís. Elas são efeitos de difusão de normas (tipo exportação) entre países que optam por não dormirem diante da realidade. Num mundo onde distância e tempo estão cada vez mais reduzidos por causa de avanços tecnológicos, o mercado para difusão de ideias também tende a se tornar mais dinâmico. Se a ideia é boa – ou se funciona porque está de acordo com o espírito daquele tempo –, saem ganhando aqueles que, com mais engenhosidade, a adaptam para resolver problemas concretos e impulsionar a vida socioeconômica do país. O vendedor pode até não gostar de quiuí, mas vende e não é eticamente intolerável, pode fazer sentido participar da sua difusão. A não ser que se tenha alternativa melhor – ou que o contexto mude.

Passada uma fase de convergência normativa nos últimos 30 anos, em que imperava aquilo que o ex-economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI) Olivier Blanchard chama de “coincidência divina” – a ideia de que o foco na estabilização da inflação levaria à maximização sustentável do produto, medido em nível de emprego ou de PIB –, hoje, existe muito mais experimentação. É tempo de quiuís no mundo, e cada país tem os seus. Em um dos capítulos de Política monetária e bancos centrais na era do covid, lançado dias atrás, o próprio Blanchard destaca que ninguém mais bota fé na “coincidência divina” e que “não faz muito sentido” ter inflação como a única meta. Como estamos no Brasil, país de jabuticabas, é sempre bom ressaltar que isso não quer dizer para se despreocupar com a inflação. Contudo, é bom cuidar de outras coisas também.

O Centro de Pesquisa para Política Econômica (CEPR) de Londres faz um grande apanhado das experimentações feitas nos últimos anos ao redor do mundo. O movimento, que teve origem natural na crise de 2008, ganhou muita força em 2020. A junção da multiplicação de problemas a serem resolvidos com a capacidade técnica acumulada pelos principais bancos centrais do mundo faz com que cada vez mais demandas gerais e metas específicas, sobre essas instituições, sejam adicionadas.

O banco central britânico agora tem como mandato a sustentabilidade ambiental e a condução da economia para a neutralidade de carbono. Uma exortação ecoada por Christine Lagarde à frente do banco central europeu. No fim do ano passado, à beira do Parque Nacional de Grand Teton em Wyoming, nos Estados Unidos, os mandachuvas do Fed (o banco central norte-americano) chegaram ao consenso de que máximo emprego é a meta principal a ser perseguida. Muita gente achou que era “conversa para boi dormir”, mas, de fato, o desemprego americano, que pulou de 3,5% em fevereiro de 2020 para 14,8% dois meses depois, já caiu de novo para a casa dos 5%.

Para além disso, congressistas americanos têm conseguido pressionar o Fed a trabalhar para reduzir a desigualdade no país. Não basta ter empregos, é preciso também ter bons trabalhos, saúde, educação, cultura, esporte e lazer. Para pessoas de boa vontade, a crise abre uma oportunidade única para se criar uma economia melhor. Nos Estados Unidos e na Europa, não está sendo aceito que a retomada beneficie apenas uma parte pequena da sociedade. Complementar a isso vem a crescente aceitação que o sucesso de uma nação não deve ser medido apenas por Produto Interno Bruto (PIB) e Bolsa de Valores. Como argumenta Esther Duflo, ganhadora do Nobel de Economia em 2019, “a vida é muito mais do que isso”. Em relação a isso, é sempre bom dizer também que não quer dizer para se despreocupar com crescimento. Apenas que tem que se cuidar disso e de outras coisas conjuntamente.

Como argumenta o economista político de Berkeley, Barry Eichengreen, no francês Le Monde, a demanda por um novo modelo de banco central crescente no mundo é politicamente inevitável, porque a mudança climática e o crescimento da desigualdade – que, no momento, é tanto cíclico quanto estrutural – são crises existenciais que vão entrar em todas as agendas de um jeito ou de outro. Isto é, mesmo quem não gosta de quiuí deve saber que não só ele é economicamente tolerável, como também vem a ser eticamente necessário.

(Com Henrique Delgado)

Os artigos aqui publicados são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião da PB. A sua publicação tem como objetivo privilegiar a pluralidade de ideias acerca de assuntos relevantes da atualidade.

receba a nossa newsletter
seta