entrevista

Washington Olivetto

18 de maio de 2021
D

Desde 2017 morando com a família em Londres, Inglaterra, o publicitário não esconde a desolação com o atual cenário brasileiro e diz não ter planos de voltar a viver por aqui.

NO INÍCIO DA PANDEMIA, DIZIA-SE QUE AS PESSOAS SAIRIAM MAIS SOLIDÁRIAS E MENOS EGOÍSTAS. ESTAS PREVISÕES SE CONCRETIZARAM?

Moro em Londres desde 2017 e me considero um brasileiro fanático. No entanto, noto que vivemos momentos diferentes. Infelizmente, no Brasil, vive-se um mundo que não é o daqui. No início de maio, a Inglaterra registrou pela primeira vez um dia sem mortes pelo covid-19, em virtude de um lockdown responsável e um processo de vacinação eficiente. No Brasil, virou uma CPI. No dia 1º de maio, houve no Brasil manifestações pseudopolíticas com muita gente sem máscara, enquanto em Liverpool ocorria um show de rock com 5 mil jovens testados antes, durante e depois do espetáculo. Isso me assusta profundamente. São posturas diferentes, que demonstram aqui uma aposta no futuro, e no Brasil, uma aposta no passado.

O QUE GEROU ESTA MUDANÇA NO COMPORTAMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA?

Estive no Brasil no fim do ano passado, tenho ido a cada quatro meses. Como um país que era da doçura e da alegria se transformou no país do amargor? Tenho notado uma radicalização, que me incomoda: a maluquice que se reinventou no Brasil, entre esquerda e direita, que só tem separado as pessoas. Mas isso faz parte dos governantes atuais. Creio quem veio em função do governo Trump, com uma postura de radicalização entre ambos os lados, e a sociedade brasileira foi ingenuamente conduzida pelas fake news ao atual cenário. Estamos vivendo um momento no qual, depois, vamos precisar de muitos anos para voltar a ser um país que poderia ter sido.

VOCÊ TEM CONTATO COM BRASILEIROS EM LONDRES?

Sim, a maioria dos motoboys de delivery é brasileira. Na pandemia, minha família tem usado muito o delivery, e sou reconhecido por eles não pelo meu trabalho como publicitário, mas como corintiano. Segundo o Consulado-Geral do Brasil, existem cerca de 250 mil brasileiros na Grande Londres, dos quais 60% são ilegais. O NHS [equivalente ao SUS] atende a todos os residentes, independentemente de serem legais ou ilegais, mas os brasileiros estão fugindo da vacinação por medo de serem deportados. Estou fazendo um trabalho de esclarecimento, em conjunto com o Consulado-Geral, dizendo que não há este risco. Londres é uma cidade acolhedora, onde se convive com pessoas do mundo inteiro, mas o brasileiro comum que mora aqui não está sendo bem-visto como sempre foi.

“Estamos vivendo um momento em que, depois, vamos precisar de muitos anos para voltar a ser um país que poderia ter sido.”

COMO A MÍDIA INGLESA TRATA O BRASIL?

Há poucos meses, o jornal The Guardian, uma publicação marcada pelo bom senso, publicou que não estava gostando de publicar notícias do governo brasileiro. O jornal tinha sensação de que eram declarações para desviar o foco dos problemas reais, promover uma “cortina de fumaça”, e que gostava de reportagens do Brasil que tratassem a respeito de nomes como Oscar Niemeyer, Tom Jobim e Ivo Pitanguy.

QUE TIPO DE DECLARAÇÕES REPERCUTEM NA MÍDIA INGLESA?

As questões envolvendo o desmatamento da Amazônia pegam muito mal. Lembro das declarações do ex-ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, do pronunciamento grosseiro do ministro Paulo Guedes contra a esposa do presidente francês Emmanuel Macron, das ofensas do Bolsonaro em relação ao trabalho da ativista Greta Thunberg. Já a declaração do presidente sobre a hipótese de que alguém vacinado poderia se transformar em jacaré foi avaliada até com desprezo.

E NO CAMPO CULTURAL, COMO OS INGLESES VEEM O SUCESSO DA CANTORA ANITTA?

É uma artista muito talentosa e conhecida por aqui. O grande mérito da música brasileira é a qualidade e ser feita sem preconceitos. Anitta é um exemplo disso, tem conotação de alegria, de um país bacana e legal. É exatamente o inverso do que nossos governantes estão fazendo.

NA SUA ÁREA ESPECÍFICA, NO CAMPO DA PUBLICIDADE, QUAIS AS TRANSFORMAÇÕES PROVOCADAS PELA PANDEMIA, PRINCIPALMENTE EM RELAÇÃO AOS CONCEITOS DE SUSTENTABILIDADE?

Muitas novas mídias surgiram. As empresas que priorizaram a informação mais do que a venda se deram melhor. Contudo, seja qual for a mídia, se não houver uma grande ideia, não acontece nada. Reforçou-se a cultura que empresas devam ter propósitos, e é muito bom que tenham e que sejam verdadeiros no seu comportamento. Se o propósito for apenas ganhar prêmios em festivais, é uma bobagem. Mas uma empresa pode honestamente oferecer o seu produto de forma transparente, sem necessariamente ter propósitos. Se o produto for bom, não há nada de errado. A tendência é que as duas linhas se misturem com o tempo.

“Anitta tem conotação de alegria, de um país bacana e legal. É exatamente o inverso do que nossos governantes estão fazendo.”

E QUANTO AOS GRUPOS DE COMUNICAÇÃO?

O digital é uma realidade. Tudo vai depender da capacidade de reinvenção das empresas de comunicação, das agências e dos anunciantes. Por exemplo, uma das mídias que continua muito próspera é o velho e bom rádio, que muitas vezes se revela mais instantâneo que a internet. No Brasil, tem se cometido o erro de estabelecer uma luta de classes entre o online e o offline, na qual só tem perdedores, como é o caso da Editora Abril. Hoje, criticam muito a mídia brasileira. Meu Deus, se não fosse por ela, o País não teria formado a imagem que construiu no exterior, graças às revistas da Editora Abril e a Rede Globo. Tentam destruir este patrimônio, e isso é um pecado.

VOCÊ NUNCA ATUOU EM CAMPANHAS POLÍTICAS, MAS, NA DÉCADA DE 1980, CRIOU UMA CAMPANHA NA QUAL O EX-GOVERNADOR PAULO MALUF FOI GAROTO-PROPAGANDA DE UM CALÇADO DA VULCABRÁS. HOJE, ESCOLHENDO CINCO NOMES DO MEIO POLÍTICO, PARA QUAIS PRODUTOS ELES SERIAM ADEQUADOS COMO GAROTO PROPAGANDA? VAMOS COMEÇAR PELO PRESIDENTE JAIR BOLSONARO…

Não é um nome adequado para comunicação, mas poderia fazer propaganda de armas.

LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA…

É um homem de marketing intuitivo, apesar de não ter cultura acadêmica. Neste momento, seria apropriado para uma marca ou um produto que esteja sendo relançado no mercado.

CIRO GOMES…

É uma pessoa culta e agressiva. Não sei exatamente o produto, mas algo com credibilidade e agressividade.

GUILHERME BOULOS…

Serviria para produtos com características ecológicas, do gênero natureba.

FINALMENTE, JOÃO DORIA…

Pela estética e pelo perfil de negócios, seria adequado para shopping center.

QUAIS OS SEUS PLANOS PARA 2021 E 2022?

Tenho trabalhado muito durante a pandemia. Desenvolvi uma série de podcasts, o W/Cast, nas principais plataformas de streaming, que irá desembocar em um projeto no Instagram. É uma aventura no digital que me proporciona aprendizado e prazer. Escrevo quinzenalmente um artigo no jornal O Globo e faço comentários quinzenais na rádio CBN. Estou colaborando com o educador Cristovam Buarque em um grande projeto de educação e presto consultorias para empresas. Ainda não há nada previsto, mas talvez as colunas de O Globo resultem em um livro.

“Londres é uma cidade acolhedora, onde se convive com pessoas do mundo inteiro, mas o brasileiro comum que mora aqui não está sendo bem-visto como sempre foi.”

PRETENDE VOLTAR A MORAR NO BRASIL? QUAL SERIA A CIDADE DE PREFERÊNCIA?

Minha intenção é continuar indo com frequência ao Brasil, mas prefiro continuar morando em Londres, ainda mais agora que meus filhos estão ingressando na universidade. Entretanto, mesmo sendo paulista e corintiano, nas minhas últimas visitas fiquei mais no Rio de Janeiro do que em São Paulo. Considero o Rio uma síntese do Brasil, para mim, continua sendo a capital do Brasil.

APESAR DOS TRISTES EVENTOS DE VIOLÊNCIA, COMO A CHACINA DE JACAREZINHO?

É uma tristeza, foi muito divulgada aqui. Lembra a música “W/Brasil”, criada pelo meu amigo Jorge Benjor, nos anos 1990, que tem os versos “Jacarezinho, avião”. É uma metáfora do que acontece hoje.

É BEM DIFERENTE DE SUA ROTINA EM LONDRES, NÃO É?!

Sim, moro no bairro de Belgravia, no centro de Londres, há duas estações de metrô muito próximas. A rede de transporte é muito eficiente, o metrô se interliga com trem, barco e bicicletas. Não há necessidade de ter carro em Londres.

ACREDITA QUE CHEGAREMOS PERTO DESTE ESTÁGIO ALGUM DIA?

Do jeito que o Brasil está, vai demorar muito para chegarmos a algo perto disso, infelizmente.

Guilherme Meirelles Divulgação
Guilherme Meirelles Divulgação
receba a nossa newsletter
seta